terça-feira, 26 de junho de 2012

SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS PARA O ORAL E A ESCRITA: APRESENTAÇÃO DE UM PROCEDIMENTO.




Referência Bibliográfica: DOLZ, Joaquim; NOVERRAZ, Michele; SCHNEUWLY, Bernard. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: DOLZ, Joaquim; SCHNEUWLY, Bernard e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. E Org. de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2004.

INTRODUÇÃO

Para que se possa ensinar a oralidade e a escrita, é preciso partir de um encaminhamento, ao mesmo tempo, semelhante e diferenciado; propor uma concepção que englobe o conjunto da escolaridade obrigatória; centrar-se, de fato, nas dimensões textuais da expressão oral e da escrita; oferecer um material rico em textos de referência, escritos ou orais, nos quais os alunos possam inspirar-se para suas produções; ser modular, para permitir uma diferenciação do ensino e favorecer a elaboração de projetos de classe. Fundamentando-se nessas exigências pode-se afirmar que é possível ensinar a escrita e a oralidade em situações públicas escolares e extra-escolares, além disso, criar contextos de produções precisos, efetuar atividades ou exercícios diversos e variados permitirá aos alunos apropriarem-se das noções, das técnicas e dos instrumentos que são necessários para o desenvolvimento de suas capacidades de expressão oral e escrita em diversas situações de comunicação.

O procedimento “sequência didática”

Um conjunto de atividades escolares organizadas, de maneira sistemática, em torno de um gênero textual oral ou escrito é denominado sequência didática. Produzimos textos escritos ou orais diferentes uns dos outros, pois, os adaptamos ao tipo de comunicação visado. Apesar disso, há situações em que escrevemos textos com características parecidas, esses textos são enquadrados em um mesmo gênero de texto ou gênero textual e cada gênero tem uma especificidade comunicativa, daí a importância da criança conhecer e aprender a utilizá-los. Uma sequência didática tem o objetivo de ajudar o aluno a dominar melhor um gênero de texto dando-lhe acesso a práticas de linguagens novas ou dificilmente domináveis.

ESTRUTURA BÁSICA DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA
Apresentação da situação: descrição detalhada da tarefa de expressão oral ou escrita que os alunos realizarão.
Produção inicial: elaboração de um primeiro texto inicial (oral ou escrito) correspondente ao gênero trabalhado.
Módulos: atividades e/ou exercícios que dão os instrumentos necessários para o domínio do gênero em questão.
Produção final: o aluno poderá colocar em prática os conhecimentos adquiridos e, com o professor, medir os progressos alcançados.

COMPONENTES DA SEQUÊNCIA DIDÁTICA

A apresentação da situação
É um projeto de comunicação e de apresentação da atividade de linguagem a ser executada. O projeto proposto deve ser explícito para que os alunos compreendam a situação de comunicação na qual devem atingir e o problema de comunicação que devem resolver, produzindo um texto oral e escrito e para isso, devem ser indicados: qual gênero será abordado; a quem a produção se dirige; a forma que a produção assumirá e quem participará da produção. Na apresentação da situação, é preciso que os conteúdos dos textos que serão produzidos sejam preparados e que os alunos percebam a importância desses conteúdos e saibam com quais vão trabalhar. Portanto, é importante fornecer aos alunos todas as informações necessárias para que conheçam o projeto comunicativo visado e a aprendizagem de linguagem a que está relacionado.

A primeira produção

            Neste momento, os alunos elaboram um primeiro texto oral ou escrito, que revelará para si e para o professor as representações que têm dessa atividade. Se a situação de comunicação é bem definida durante a apresentação da situação, todos os alunos conseguirão produzir um texto de acordo com a situação, mesmo que não respeitem todas as características do gênero visado. Assim é possível definir o ponto em que o professor pode intervir melhor e o caminho que o aluno tem ainda a percorrer: essa é a essência da avaliação formativa.
A produção inicial serve como reguladora da sequência didática, tanto para os alunos quanto para o professor.  
Para os alunos, esclarece sobre o gênero abordado, lhes permite descobrir o que já sabem fazer e perceber os problemas que eles encontram na produção. Para o professor, é um momento privilegiado de observação, que permitem refinar a sequência, modulá-la e adaptá-la de maneira mais precisa às capacidades reais dos alunos.

Os módulos

Trata-se de trabalhar os problemas que aparecem na primeira produção e de dar aos alunos instrumentos necessários para superá-los. Nos módulos, os elementos do gênero, são abordados separadamente um a um, a fim de desenvolver habilidades e conhecimentos relativos ao gênero. Neste trabalho, é fundamental pensar: Que dificuldades da expressão oral ou escrita abordar? Como construir um módulo para trabalhar um problema particular? Como capitalizar o que é adquirido nos módulos? Produzir textos orais ou escritos é um processo complexo, com vários níveis, aonde o aluno se deparará com problemas específicos de cada gênero e deve se tornar capaz de resolvê-los. O aluno deve aprender a fazer uma imagem do destinatário do texto, da finalidade visada, de sua própria posição como autor ou locutor e do gênero visado. Conhecer as técnicas de buscar, elaborar ou criar conteúdos, planejar o texto e escolher os meios de linguagem mais eficazes para escrever seu texto.
O princípio essencial da elaboração de um módulo é o de variar os modos de trabalho, proporcionando aos alunos, uma diversidade de atividades e exercícios, possibilitando-os o aprendizado, por diferentes vias. São necessárias atividades de observação e de análise de textos, tarefas simplificadas de produção de textos (impõem ao aluno limites, permitindo descartar certos problemas de linguagem) e a elaboração de uma linguagem comum. Realizando os módulos, os alunos aprendem a falar sobre o gênero abordado. Adquirem um vocabulário, uma linguagem técnica, constroem progressivamente conhecimentos sobre o gênero. Esse vocabulário técnico vai sendo registrado numa lista ao longo da sequência e cada sequência é finalizada com um registro dos conhecimentos adquiridos sobre o gênero durante o trabalho nos módulos, na forma sintética de lista de constatações ou de lembrete ou glossário.

 A produção final

A sequência é finalizada com uma produção final que dá ao aluno a possibilidade de pôr em prática as noções e os instrumentos elaborados separadamente nos módulos. Permite também ao professor realizar uma avaliação somativa. O importante é o aluno encontrar os elementos trabalhados em aula e que devem ser vistos como critérios de avaliação. Regular e controlar seu próprio comportamento de produtor de textos e seu processo de aprendizagem e assim, avaliar os progressos realizados durante o trabalho.


Os princípios teóricos subjacentes ao procedimento “seqüência didática”
- Escolhas pedagógicas: insere-se num projeto que motiva os alunos a escrever ou tomar a palavra; maximiza, pela diversificação das atividades e dos exercícios, as chances de cada aluno se apropriar dos instrumentos e noções propostos.
- Escolhas psicológicas: a atividade de produção de textos escritos ou orais é trabalhada em toda sua complexidade, incluindo a representação da situação de comunicação, o trabalho sobre os conteúdos e a estruturação dos textos; o procedimento visa transformar o modo de falar e de escrever dos alunos, no sentido de uma consciência mais ampla de seu comportamento de linguagem em todos os níveis; diferentes instrumentos de linguagem propostas aos alunos.
- Escolhas linguísticas: A atividade de linguagem produz textos e discursos. O procedimento utiliza instrumentos linguísticos que permitem compreender essas unidades; toda língua se adapta às situações de comunicação e funciona de maneira bastante diversificada.

As finalidades gerais da sequência didática são: preparar os alunos para dominar sua língua nas situações mais diversas da vida cotidiana, oferecendo-lhe instrumentos precisos, imediatamente eficazes, para melhorar suas capacidades de escrever e de falar; desenvolver no aluno uma relação consciente e voluntária com seu comportamento de linguagem, favorecendo procedimentos de avaliação formativa e de auto-regulação; construir nos alunos uma representação da atividade de escrita e de fala em situações complexas, como produto de um trabalho, de uma lenta elaboração. As sequências didáticas apresentam uma grande variedade de atividades que devem ser selecionadas, adaptadas e transformadas em função das necessidades dos alunos, dos momentos escolhidos para o trabalho, da história didática do grupo e da complementaridade em relação a outras situações de aprendizagem da expressão, propostas fora do contexto das sequências didáticas.
A adaptação das sequências às necessidades dos alunos exige, da parte do professor: analisar as produções dos alunos em funções dos objetivos da sequência e das características do gênero; escolher as atividades indispensáveis para a realização da continuidade da sequência; prever e elaborar, para os casos do insucesso, um trabalho mais profundo e intervenções diferenciadas no que diz respeito às dimensões mais problemáticas.

As diferenças do trabalho com a escrita e com o oral

                Como o gênero pode assumir na comunicação tanto a expressão oral como a escrita. É importante salientar que existem diferenças entre as sequências destinadas ao trabalho com gêneros orais ou escritas, devido a sua materialidade dos mesmos. As diferenças mais importantes são: a possibilidade de revisão, a observação do próprio comportamento e a observação de textos de referência.

Questões de gramática, sintaxe e ortografia

Mesmo a sequência didática tendo como objetivo aperfeiçoar práticas de escrita e da produção oral, centradas em questões específicas, deve-se fazer uma articulação entre o trabalho proposto nas sequências e outros domínios do ensino da língua, apoiando-se para isso em certos conhecimentos linguísticos, construídos em outros momentos. As recorrências de formas verbais ligadas a um gênero textual podem criar a oportunidade de abordar à morfologia verbal de maneira paralela ao trabalho com a sequência. Com relação à sintaxe, as dificuldades são mais frequentes, vem muitas vezes resultante de interferências entre a sintaxe do oral e da escrita. Na sequência é possível levantar esses problemas e “melhorar as frases”, tendo em vista a reescrita do texto. O domínio da sintaxe não está ligado a um gênero, deve-se desenvolver nos alunos capacidades de análise que lhe permitam melhorar esses conhecimentos. É necessário tempo específico para o estudo da gramática e as sequências se favorecerão com essa aprendizagem, dando-as mais sentido.
 Os problemas ortográficos também não tem correlação com os gêneros. Os alunos precisam escrever com frequência para que consigam desenvolver melhor suas capacidades ortográficas. Os erros encontrados nos textos produzidos pelos alunos são uma fonte de informação para o professor, servindo de base para o trabalho com a ortografia. É necessário atribuir um devido lugar para a correção ortográfica, pois, muitas vezes, os professores focam muito nessa questão e acabam não valorizando outras dimensões que entram em jogo na produção textual. A correção ortográfica deve ser realizada no percurso final do texto, após o aperfeiçoamento de outros níveis textuais.

Os agrupamentos de gêneros e progressão através de séries/ciclos

    Cada gênero textual tem um objetivo de comunicação, por isso é essencial um ensino adaptado para cada gênero de texto. No entanto, os gêneros podem ser agrupados em função de certo número de regularidades linguísticas. Os agrupamentos de gêneros tem que ter em vista o desenvolvimento da expressão oral e escrita.
O agrupamento de gêneros revelou-se um meio eficaz para pensar a progressão através dos ciclos/séries. Um mesmo gênero é trabalhado, em diferentes ciclos ou séries, com objetivos cada vez mais complexos, em função das possibilidades de transferência que permitem.
A definição da progressão precisa levar em conta, as pesquisas em psicologia sobre o desenvolvimento das capacidades de linguagem e as pesquisas em didáticas que consideram os limites da situação escolar e o currículo seguido pelos alunos. É possível elaborar uma progressão em cada um dos cinco agrupamentos de gêneros, levando-se em conta os objetivos da aprendizagem de gêneros e os domínios necessários das situações de comunicação. Assim, é fundamental escolher um plano de texto adaptado à situação de cada ciclo/série, garantindo que o trabalho com os gêneros atinjam os objetivos requisitados e uma diversidade textual a cada nível. Em cada nível, o aluno terá se exercitado na produção de gênero, pertencente a diversos agrupamentos. A escolha dos gêneros tratados de acordo com os ciclos ou séries justifica-se pela ideia de que aprendizagem não é uma consequência do desenvolvimento, uma condição para ele quando à intervenção do professor e as interações com outros alunos podem gerar progresso. As diferentes sequências dão indicações quanto à adequação do gênero ao início ou ao final de um dado ciclo.
Produzir textos é um processo complexo, a aprendizagem de tal conhecimento é lenta e longa. Para assegurar o domínio dos principais gêneros no final do ensino fundamental, propõe-se uma iniciação precoce, com objetivos adaptados as primeiras etapas. Cada gênero pode ser abordado em diferentes níveis de complexidades, por exemplo, o conto que será trabalhado em diferentes etapas do ensino fundamental, porem com objetivos graduados, tanto do ponto de vista da organização e da construção de personagens típicas como das unidades linguísticas que a caracterizam. A retomada de objetivos já trabalhados, após certo espaço de tempo e numa nova perspectiva, parece indispensável para que a aprendizagem seja assegurada.


Trabalho apresentado pelas graduandas em Pedagogia (UFJF): Maíra Saporetti , Jéssica Souza, Simone da Silva, Letícia Alves e Taiane Loures.

Nenhum comentário:

Postar um comentário